segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Você optou por ser normal?





E aí Zé, tudo firme qui ném prego no angú?

Comigo tudo beleuza!

Ortografia à parte, tudo bem! (Ortografia? O que é isso? É de comer?)

O que me conta de novo?

Nada?

Aff...

Aqui, já percebeu o quanto somos engessados?

Como assim, engessados?

A famosa rotina, que falo tanto aqui na nossa prosa, nos deixa parecidos a cavalos puxadores de carroça!

Achou minha comparação exagerada?

Né não Zé!

Óia pro cê vê:

Estamos tão preocupados com nossas responsabilidades:

- estudos
- trabalho
- contas
- dívidas
- e onde arrumar dinheiro pra tudo

Que acabamos por olhar apenas para o que está a frente do nosso nariz!

(dãããm, é claro que só olhamos para o que está a frente do nosso nariz, ele não sái de lá! ow!)

Zé, não vou nem comentar sua piada, acho que me entendeu né?

Quantas vezes você olha pro céu durante o dia?

Perguntinha que parece besta né?

Mas, somos piores que "mulas de carga", pois elas não olham pois são irracionais e
tem uma "tapadeira" que as impedem de ver além do que os "donos" querem!

E nós?

Esquecemos o quanto o mundo é maior do que o nosso próprio mundo!

Esquecemos o quanto é bom olhar para as outras pessoas, ver o quanto são lindas as criaturas de Deus, a natureza dá testemunho de Deus.
Esquecemos de pensar em futilidades... de fazermos bem a nós mesmos, fazendo coisas diferentes das que inércia diária nos proporciona.

Olhar pro céu nos dá a dimensão de o quão pequeninos sós somos, e saber disso acho que amedronta muita gente.

Vejam o exemplo de quando Galileu afirmou que a Terra não era o centro do universo, mas um simples planeta a girar numa órbita a volta de uma estrela,
o sol, foi duramente criticado. Tão severamente criticado que em troca de ser poupado de pena rigorosa, optou por colocar sua "tapadeira de mula" retratando-se.

Somos, por natureza, egocêntricos, e qualquer coisa que nos tire disso é, no mínimo, inquietante.

Sabe Zé, eu tenho minhas "tapadeiras" sim, mas sempre fujo disto. Tem muita gente que me acha maluco. Mas, sempre busco recusar ser "forjado" feito aço em brasa
pelos grilhões da sociedade, de toda essa coersão social que nos dita o famigerado: "NORMAL".

O que é NORMAL? O que é ser NORMAL? Você é normal? É bom para quem ser normal? E porquê? E porquê? E porquê?


"E se me achar esquisita,respeite também. Até eu fui obrigada a me respeitar.; Eu não sou promíscua.
Mas sou caleidoscópica: fascinam-me as minhas mutações faiscantes que aqui caleidoscopicamente registro.;
Não se preocupe em entender. Viver ultrapassa todo entendimento. Renda-se como eu me rendi. Mergulhe no
que você não conhece como eu mergulhei. Eu sou uma pergunta.; ...
passava o resto do dia representando com obediência o papel de ser." Clarice Linspector




Um grande abraço, que Deus nos abençoe

Inté, Zé!

2 comentários:

.Sté. disse...

Que post Lindo. Adoro sou fascinada em leitura e acredita que nunca peguei Lispector pra ler?
Muito profundo seu post adorei.
O blog como um todo

Zé! disse...

Sté...

vou te elogiar mais não senão o povo me "encherá"...rs

Gosto pra caramba de vc!

Valeu!